Shiny em Produção: Rodando seu App com 1 Linha

Por Julio em 06/09/2019

No meu último post sobre shiny, mostrei como é possível usar o pacote {golem} como framework para desenvolvimento de shiny apps como pacotes. O processo de desenvolvimento se torna ligeiramente mais burocrático, mas os ganhos em consistência e reprodutibilidade são enormes.

Mas eu acho que faltou uma coisa no post. Eu não deixei clara qual é a grande vantagem de desenvolver um app usando o golem: o poder de rodar seu app com uma linha de código.

Nosso objetivo será chegar num código assim:

shiny::shinyApp(meuPacote:::app_ui(), meuPacote:::app_server)

Isso é tudo que você precisará subir em uma máquina na nuvem ou no shinyapps.io!

Para conseguir isso, no entanto, você precisará fazer duas coisas:

  1. Certifique-se de que seu app funciona com o pacote instalado numa sessão nova.
  2. (para o shinyapps.io) coloque seu app no github e instale o pacote de lá.
  3. Criar um arquivo app.R com o código shiny::shinyApp(meuPacote:::app_ui(), meuPacote:::app_server) e subir para seu servidor ou para o shinyapps.io.

Certifique-se de que seu app funciona.

Uma boa forma de garantir que seu app funciona é fazendo-o passar no devtools::check(). Se tudo der certo nessa etapa, a probabilidade de dar algum problema no passo (1) colocado acima é realmente baixa.

Recomendo fortemente a leitura do livro Zen do R para trilhar o caminho do desenvolvimento de pacotes sem dor nem sofrimento.

Trabalhando com bases exportadas dentro do pacote

Se o seu Shiny App utiliza bases de dados, sua base deve ser adicionada na pasta data/ de seu pacote. O problema é que, como as bases na pasta data/ são exportadas, elas não são diretamente acessíveis por funções internas do pacote. Para resolver esse problema, existem duas alternativas:

  1. Utilizar :: sempre que for acessar sua base nas funções de seu Shiny App. Usualmente isso ocorrerá apenas algumas vezes, pois é uma boa prática criar um reactive() que carrega e filtra os dados, e fazer todas as outras funcionalidades do app dependerem desse reactive(). Por exemplo:
app_ui <- function() {
  tagList(
    plotOutput("grafico")
  )
}

app_server <- function(input, output, session) {
  
  # esse é o reactive que controla seus dados.
  # se você tiver muitas bases no seu app, uma boa
  # ideia é colocá-los numa lista neste reactive()
  dados <- reactive({
    meuPacote::cars
  })
  
  # a partir daqui, você não usa mais a base do pacote,
  # mas sim o que vem do reactive()
  output$grafico <- renderPlot({
    plot(dados())
  })
  
}
  1. Tratar seus dados como dados internos. Para isso, você deverá usar usethis::use_data(dados, internal = TRUE). Nessa alternativa, seus dados ficarão num arquivo chamado sysdata.rda. A vantagem nesse caso é que você não precisará usar o :: sempre que for acessar seus dados. A desvantagem é que todas suas bases ficarão em um arquivo só, o que pode causar confusões.

É isso. Happy coding ;)

comments powered by Disqus

Nossa Newsletter

Uma vez por semana enviamos um e-mail para você não perder nenhum post da Curso-R. Avisamos também sempre que abrimos uma nova turma.